quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Ei, eu amo você.

Eu só queria dizer que eu te amo. Mas eu te amo mesmo. Não estou falando da boca pra fora. Eu te amo. Eu estou certa disso. É o teu calor que aquece o meu coração. E não há ninguém nesse mundo que seja capaz de me fazer sorrir como você. Até porque o dono do meu sorriso é você. Sempre vai ser você. E eu sempre vou te levar aqui dentro, no meu coração. Mesmo que você me tire do seu. Já te fiz esse pedido e continuarei fazendo: Não me deixe. Nunca. Não vá embora. O meu mundo fica tão vazio sem você… E eu me sinto vazia também. Incompleta, porque só você pode me completar. Pode ter a certeza de que ninguém nesse mundo inteirinho é capaz de te querer como eu quero. E eu sei que não consigo demonstrar o tamanho do sentimento que está presente no meu coração, mas por favor, nunca duvide da sua existência. É que ele é tão grande que eu não consigo encontrar palavras ou atitudes para expressá-lo… Mas ele está aqui. O sentimento está aqui dentro e me acompanha em todas as horas do meu dia. Nunca me abandona. E eu nunca vou abandonar você. Nem que você queira. Nem que você exija. Então, por favor, não me abandone também. Nem que eu queira. Nem que eu exija. Não me abandone de jeito nenhum.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Amor: Hora é veneno, hora é cura.

Aprendeu.

Era uma vez uma garota que era inegavelmente feliz, nada nunca a abalava a ponto de destruir essa alegria que irradiava o coração dela, vivia de sorrisos verdadeiros, tudo para ela estava sempre ótimo e, quando não estava, acabava ficando, no final. O amor ainda não doía mais que machucados nos joelhos, ela tinha amigos verdadeiros e os altos e baixos da vida eram bem mais leves, mais fáceis de suportar. E tudo continuava assim, até essa garota crescer. Cresceu e foi obrigada a enxergar o mundo como ele realmente é. Enxergar que nem sempre o mundo é belo e que, quando é, perde sua beleza tão rapidamente que quase nem dá tempo de apreciá-la. Cresceu e os problemas conseguiram abalar o sorriso verdadeiro que ela sempre carregava em seu rosto. Cresceu e aprendeu, na marra, que a felicidade não é inabalável como pensou que era. Cresceu e aprendeu que, às vezes, a felicidade vai embora e demora para voltar. Cresceu e aprendeu que nem sempre as coisas são do jeito que ela esperava. Cresceu e conheceu o amor, viu que ele é lindo mesmo, mas aprendeu que ele também carrega um tiquinho de dor que dificilmente aparece, mas quando aparece, esse “tiquinho” vira “imensidão”. Cresceu e aprendeu que não pode confiar em todo mundo, que são poucos o que ela realmente pode chamar de “amigos”. Cresceu e aprendeu tanto, tanto, tanto, que ficou cansada de aprender, e aprendeu que o cansaço não tem força para acabar com o aprendizado. Nem o cansaço, nem nada.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Insegurança

Parece que você não se permite ser meu por inteiro. Não me deixa cuidar de ti totalmente. Não cuida de mim sempre. Por quê? Hein? Eu não sei se você sabe, mas eu preciso de você sempre. E eu queria sentir que você também “me precisa” a todo momento.
Eu sei que, como todo mundo, você precisa de cuidado, então me deixa ficar ao teu lado, me deixa cuidar de ti porque assim, indiretamente, eu cuido de mim também.
Olha bem no fundo dos meus olhos e me deixa mergulhar no brilho dos teus. E me deixa segura de que esse brilho só existe por minha causa.
Eu sou inegavelmente tua, por inteira. Cada pedacinho meu é teu. Inclusive o meu coração. Então deixa eu te mostrar isso.
Deixa eu te mostrar que, para mim, abraço melhor e mais reconfortante que o teu não existe. Deixa eu te mostrar que o meu mundo fica vazio quando você se afasta dele. E me deixa segura de que você também se sente assim sem mim: incompleto.
Eu te quero tanto, mas não estou certa de que isso é recíproco. Então, por favor, deixa isso transparecer porque eu já estou cansada dessa insegurança.
Por favor, faça a diferença e não seja só mais uma dúvida na minha vida.
Seja uma certeza.
Seja a minha certeza.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Sentir.

Olha, eu sei que tudo está diferente. Eu sei que muita coisa mudou e não sei o porquê… Mas é que você me decepcionou aquela vez, e tem me decepcionado cada vez mais… E é a partir daí que as coisas mudam. Mas eu tenho vontade de ficar repetindo toda hora: “Não vai embora, não vai embora, por favor, não vai embora…” Está difícil confiar em você ou no amor que você diz sentir, e eu só queria que você me desse um motivo para isso. Um, apenas um. Um motivo, nem que pequenininho, mas que existisse. Se eu podia ter desistido de você? Sim, eu podia. Mas eu não desisti porque eu pensei que você valia a pena. Então, pelo amor de Deus, me mostre que eu não estava errada. Diga que nós apenas estamos em uma fase de turbulência e que vai passar. Diga que nós estamos mais diferentes, mas que as nossas diferenças ainda nos completam. Diga que a nossa relação consegue ser bem complexa, mas nunca vai deixar de existir por isso. Diga qualquer coisa, só não diga que vai embora. E não deixe-me ir. Confesso que já pensei em desistir de nós umas duas vezes… Quem sabe três. Mas essa vontade sempre passava rápido. Sempre passa. Eu agia como a pessoa mais chata do mundo e você simplesmente dizia, de um jeito suave e irresistível que torna impossível deixá-lo: “Não vai embora, fica (…) Eu não posso ficar sem você.” E isso me derretia todas as vezes em que eu tentava ser fria. E eu ficava. Sempre fiquei e nunca me arrependi disso. E estou ficando mais uma vez, embora meio incerta se é isso que eu devo fazer. O fato é que, mesmo que você me faça ter vontade de ir embora várias vezes, eu sempre vou ficar, se você pedir. E eu estou aqui, sozinha, quase paranóica, pensando se devo ir ou ficar. Porque, você sabe, eu estou chateada, mas não quero ir… Eu quero ficar, porque quero insistir em nós. Meu coração precisa disso. Implora para que eu continue insistindo. E, por mais que eu tente ouvir a razão, sempre acabo fazendo o que o meu coração manda. E o problema é que eu sempre percebo que deveria ter seguido a razão. E não consigo, porque a razão me diz pra ficar longe de você. E eu não consigo de jeito nenhum ficar longe de você. Já tentei e cheguei a conclusão de que não dá. Não dá mesmo. Você me prendeu. Me prendeu de uma forma que não deixa eu me soltar. E outra coisa é que eu também não quero me soltar. Eu só quero você. Por que diabos querer você tem que ser tão complicado? Eu tenho tanto medo de precisar mesmo ir embora… Então, por favor, dá um jeito de acabar com essa incerteza que está me deixando louca? Às vezes eu te sinto tão perto mas, em outras, eu te sinto tão longe que quase nem sinto… Sentir eu sinto o tempo todo. Sinto uma vontade incontrolável e irracional de você. Que passa por cima de qualquer motivo que indica que eu devo ir embora. Agora só falta sentir que você também sente o tempo todo, e não só de vez em quando.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Não vai embora.

Ei, me desculpa. Me desculpa mesmo. Me desculpa se eu deixei você pensar que não te queria mais. Me desculpa se eu nem sempre te dou o carinho que você precisa. Mas eu tenho medo de você enjoar de mim. E parece que isso está acontecendo… Droga, você está enjoando de mim? Eu sei que não tenho demonstrado o quanto eu te amo porque desaprendi a fazer isso… Mas eu te amo. E eu não quero que você vá embora. Eu te amo mesmo. Do fundo do meu coração. Então, por favor, fica. Fica para perceber o quanto as nossas diferenças combinam. Fica para perceber que eu ainda posso ser tudo para você, se você deixar. Me mostre que eu não estou amando por nós dois, assim como eu estou te mostrando que o que você sente — ou sentia — por mim nunca deixou de ser recíproco. Eu sei que as coisas mudaram. Eu sei que tudo está diferente, mas por favor, segure a minha mão bem forte e faça dar certo. Ainda vale a pena insistir, meu anjo. Sempre vai valer a pena. Você disse que nunca se cansaria de mim, de nós. Então, por favor, não faça isso agora. Diga-me qual é o problema, e eu passarei por cima dele se for o necessário para estar ao seu lado. Não vá embora. Não desista de mim. Eu sei que sou complicada, mas não desista. Assim como eu não desistirei de você. Mesmo que eu conseguisse, eu não quero desistir de nós. Então me diz que você também não consegue e nem quer desistir. Diz que o teu coração sempre vai ser meu, só meu. E eu sei que, assim como eu, você também vive errando. Mas por favor, meu amor, aceita os meus erros que eu aceito as tuas contradições. Eu aceito qualquer coisa por você. E se for preciso, eu até aceito chorar por você algumas noites, se você prometer que vai me acalmar. Mas não vai embora. Eu não consigo me sentir bem sem você. Então me diz que também se sente perdido sem mim. E não vai embora.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Diga que ainda me ama... Por favor.

Sabe o que é? É que eu tô mal. Tô mal mesmo. Eu queria você aqui, droga. Tentei mentir para mim mesma que não me importava tanto contigo, mas não adiantou nada… Eu me importo com você mais do que me importo comigo. E te ver longe assim dá uma pontada no peito, sabe? Aliás, uma não. Duas, três, quatro, cinco pontadas… Não para de doer. Você era o antídoto da minha dor, lembra? Mas agora é você quem está a causando. Por que você teve que complicar tudo? Tudo seria tão mais fácil assim, você sabe disso. E você sabe que eu odeio as suas contradições, mas também sabe que eu seria capaz de aceitá-las para ficar ao seu lado. Você mentiu quando disse que se importava? Porque é isso que parece. Mas eu pensei que você estivesse falando sério quando disse que não sabia ficar bem sem mim. E você está ótimo, não está? Ou você finge tão bem quanto eu? Se está bem, eu fico feliz por você. Quero dizer, é claro que eu queria que você sentisse a minha falta. Mas se você está sorrindo, então eu posso sorrir também. Mesmo que seja um sorriso em meio à inúmeras lágrimas, ele sempre vai aparecer quando o seu sorriso vier á minha cabeça. Eu queria que você me puxasse pelo braço e pedisse pra eu voltar. Queria que me dissesse que não é nada sem mim. Eu sei que você me deixou chateada com o que fez. Mas ficar longe de você só me deixa pior. Mas por que você não me pediu pra ficar, como sempre fazia quando eu ameaçava ir embora? Pareceu que você nem se importou. Pareceu que eu não fazia diferença na sua vida. E você não sabe o quanto isso doeu. E você não sabe o quanto ainda dói. Me diga, a minha ausência também te machuca? Eu nunca pensei que você fosse me dar motivos para ir embora. Eu nunca pensei que você me deixasse ir embora. Eu ainda tô esperando você dizer que ainda me ama. E eu também tô super chateada com o fato de você não ter feito isso ainda. Por que você aceitou que eu fosse embora? Por quê? Isso me matou por dentro. Só Deus sabe em quantos pedaços meu coração ficou. Mesmo que eu tenha escondido isso. Você sabe que eu sempre escondo as minhas dores, não sabe? E, mesmo assim, você conseguia perceber que elas estavam assim. Mas e agora, você consegue ver o quanto faz falta? Consegue ver que eu não quero desistir de nós? Então, por favor, não me obrigue a fazer isso. Por favor.