segunda-feira, 28 de maio de 2012

Não dá.

O único jeito de fazer as coisas do jeito certo é ficando longe de você, mas às vezes isso parece tão errado… Eu te odeio com todas as minhas forças, porque você é um idiota. Porque quando você acha que não me tem mais, vem atrás e implora para que eu volte. E eu digo que não, de novo não, porque não, não dá certo, não é pra ser, não tem volta, acabou, chega. E você insiste. E insiste de novo. E eu volto. E aí você volta a ser o idiota de sempre que não sabe o que quer e me tira do sério. Mas eu acho que me odeio também. Porque mesmo não querendo voltar, mesmo sabendo que você nunca vai deixar de ser esse idiota, eu ainda sinto alguma coisa por você que eu não sei o que é. Amor não pode ser... Não tem como amar alguma coisa que só te faz mal. O que eu sinto por você não tem nome e não é nada simples. E eu não sei o que fazer com essa complexidade. Não sei acabar com tudo isso de uma vez. Não sei não odiar as meninas que passam pela sua mão, mesmo sabendo que você nunca sentiu nada por elas. Odeio admitir isso, mas tenho medo que um dia isso mude. Tenho medo que apareça uma menina que saiba fazer você querer ficar. Não sei não torcer para que você se sinta mal toda vez que passa pela sua mente como estou feliz e realizada sem você, se é que isso acontece. Eu e você nunca seremos nós outra vez. Sei disso, não espero mais nada da sua parte e tenho plena consciência de que você não passa de um menino inseguro e imaturo que precisa se auto afirmar o tempo todo. Então por que diabos eu ainda sinto alguma coisa? Tenho vontade de te sacudir e gritar com você, reforçar o quanto eu te odeio e dizer que você é um idiota, como se não soubesse disso. Como se não tivesse assumido que faz tudo errado. Mas meu Deus do céu, por que você insiste em fazer tudo errado? Por que você não podia ter feito a coisa certa pelo menos dessa última vez? Se você reconhece que não sabe o que quer, por que disse que tinha certeza que precisava de mim? Tomei fôlego e disse pra você não me procurar mais. E realmente espero que você me faça esse favor, porque eu não aguento mais. De verdade. Não é fácil. Deve ser divertido pra você bagunçar a minha vida e depois agir como se nada tivesse acontecido. Mas pra mim não tem graça. Não tenho mais estrutura para lidar com os seus jogos. Já saí da brincadeira faz tempo e mesmo assim você continua jogando comigo o tempo todo. E eu não consigo simplesmente ignorar… Com você não dá. Eu posso controlar a minha forma de agir em relação a você, mas sentir… Não. Controlar o que sinto por você não dá, não tem como, não sei, não consigo. Simplesmente não é possível, e eu não tenho mais forças para lutar contra isso.

Tarde demais

E a coisa que eu esperei por meses aconteceu: você disse que me queria de volta. Mas você deixou para fazer isso justamente quando eu não podia mais voltar. E, então, eu chorei. Chorei porque se eu não fosse tão orgulhosa, estaria em seus braços agora nesse exato momento e isso era tudo o que eu precisava. Chorei porque quis voltar mas sabia onde isso me levaria. Chorei porque eu te amo. Chorei porque pude escolher entre ficar ou voltar pra você, mas fui obrigada a optar por ficar. Chorei por todos esses porquês e mais alguns que desconheço. Chorei um choro quase tão longo e doloroso quanto o do dia em que você foi embora. Eu te amo, mas não posso seguir o meu coração quando o assunto é você. Eu sei que ia dar tudo errado de novo. Sei que não importa quantas vezes eu queira tentar, a gente nunca vai dar certo. E eu não ia aguentar te perder pela milésima vez. Eu quis dizer tudo isso pra você, mas não pude. Enchi o peito e disse que não, mesmo com o mundo inteiro sabendo que eu queria dizer sim. Conjuguei o verbo gostar no passado. Eu sou medrosa. E tive medo de baixar a guarda e você desaparecer de novo. Não importa o quanto eu tente, eu nunca vou tirar você de mim. Nem mesmo você, com todos os seus erros e defeitos, consegue fazer com que eu deixe de te amar. E o grande problema é que ultimamente você só tem acertado. Só tem feito tudo o que eu queria. E mesmo assim, chorei, porque não pude reagir como planejei. Sempre vou ser sua e eu nunca vou saber mudar isso. E não há coisa mais desgastante do que ser sua. Nunca vou ser completa com alguém por sua causa. Nunca vou parar de contar quantos meses fazem que a gente terminou e quantos a gente faria se isso não tivesse acontecido. Você ainda me dói tanto e nem faz ideia disso. E nem pode. Porque pela primeira vez, eu tô fazendo o que julgo ser certo. Tô ouvindo a razão. Tô sendo forte. Pela primeira vez, eu não voltei pra você. E mesmo assim, ainda dói. Porque eu não queria precisar ser tudo isso ou agir certo. Eu só queria você ao meu lado de novo. Mas não consigo tentar de novo, porque você resolveu aparecer justamente quando não restava mais nem um por cento de esperança em mim. E mesmo sem esperanças, eu ainda sou sua. A única coisa que espero é que uma parte sua também pertença a mim, e que você não se esqueça do que nós fomos um dia.

Restos

Você provavelmente nunca mais escutou voluntariamente as músicas que cantava pra mim, mas ainda me pergunto se alguma lembrança vem à sua mente quando alguma delas toca em algum lugar que você está. Será que você lembra da gente de vez em quando? Não, eu não tenho mais esperança nenhuma. Entendi que não há mais volta, que seu coração não me pertence mais. Mas sei que um dia eu fui a dona do teu sorriso e, por isso, queria saber se deixei alguma marca em você, mesmo que pequenininha. Sei que você não gosta de mim, assim como eu não gosto mais de você, embora te ame. Mas eu queria que de vez em quando você olhasse para trás e sorrisse ao lembrar do que aconteceu. Porque nós éramos um casal bonito, ninguém pode negar. E talvez estivéssemos juntos se eu não tivesse pisado na bola meses atrás e se você não tivesse cometido o mesmo erro que eu um tempo depois. Confesso que não te quero de volta, porque você é muito diferente do que eu pensei que fosse. Mas você ainda vive dentro de mim, ou então eu já teria parado de te escrever como já prometi diversas vezes e nunca consegui cumprir. E ainda dói. De vez em quando eu ainda choro. Porque eu sinto que nunca vou encontrar alguém como você. E você me preencheu de uma forma que parece que ninguém nunca vai saber fazer igual, e assim, serei incompleta pra sempre. Você me transbordava… O que significa que mesmo se eu achar alguém que me complete, vou sentir falta de transbordar. Como é que eu vou seguir em frente se conheço outras pessoas e visito novos lugares tentando encontrar vestígios seus? Não estou mais empacada no mesmo lugar pois finalmente percebi que você é um idiota, mas parei no meio do caminho e não consigo continuar direito, porque metade de mim ficou pra trás e eu não sei como resgatá-la, assim como não sei parar de amar você. Quando você deixa minha mente por alguns instantes, acaba invadindo meus sonhos. E isso traz você de volta aos meus pensamentos e também à superfície do meu coração. Às vezes consigo manter você bem no fundo do meu coração e me divertir e fazer uma porção de coisas sem lembrar de você, com um incômodo no peito quase imperceptível e que não me afeta tanto. Mas quando isso não acontece, dói demais. E aí eu penso que nunca vou deixar de ser sua e dói mais ainda. Pensar que vai continuar assim por um bom tempo é tortura, porque amar você não é nada fácil. Amar você é burrice e ter consciência disso mas não saber como mandar esse sentimento do peito embora de uma vez por todas é mais difícil ainda. Você foi meu príncipe que se transformou num sapo. E esse sapo eu não quero ao meu lado, mas meu coração suplica pelo príncipe que não existe mais em você e nem em lugar nenhum. Eu estou cansada de ser sozinha, mas nenhuma companhia no mundo se compara à sua e é só ela que me satisfaz.