sexta-feira, 29 de julho de 2011

Um dia.

Sabe, você não era o meu mundo. E eu nem tô triste porque você foi embora. Eu tô triste porque eu pensei que eu fosse o seu mundo, mas percebi que não. No final das contas, você nem precisa tanto assim de mim. Isso se você definitivamente não precisar de mim, nem um pouquinho. Eu tô triste porque, quando eu disse para você ir embora, você foi. Simplesmente foi. Deu as costas, e foi. Agiu como se ir embora fosse a coisa mais natural do mundo, embora chegasse perto disso na minha vida. Aliás, sair da minha vida é tão fácil, né? Você foi e não disse nada. Não pediu pra ficar. Não reclamou. Não bateu o pé. Não ficou mal. Não disse que precisa de mim. Apenas foi. Foi de uma maneira que praticamente jogava na minha cara que eu nunca signifiquei nada para você, não de verdade. E isso dói. Não dói porque você era tudo para mim, mas dói porque eu pensei que fosse tudo para você. Pensei que fosse especial. Pensei que você se importasse de verdade. Você fazia eu me sentir assim... Especial, importante. Mas é assim mesmo, não é? Eu não passo de um nada para as pessoas. Não tenho capacidade para isso. Sou a pessoa que está no nível mais elevado da insignificância. Não nasci para fazer diferença na vida de ninguém. Infelizmente, não. Mas um dia eu aprendo a lidar com isso. Um dia a gente acaba se acostumando, né? Um dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário