quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

É mais que amor

Acho que descobri o que não me deixa ir embora e me prende a você. É o teu sorriso, teu olhar, tua voz, teu jeito manso de falar (…) e o fato de que eu nunca vou poder me entregar para você. Mesmo sabendo que um lado teu sempre vai ser meu, você não aceita isso. Não aceita porque você não quer amar, porque você acha que o amor é idiotice, porque tem medo de se machucar… E, se quer saber de uma coisa, eu concordo contigo. Eu também nunca vou aceitar que sou sua, meu anjo. Vou sempre fingir que meu amor não passa de desejo, assim como você. E amar agora é pura idiotice, sim. O único problema é que eu não te amo… Não é amor, é bem mais que isso. Porque eu gosto de você, mas não sou egoísta. Eu aceito que você nunca fica só ao meu lado, eu aceito a sua necessidade de ser livre, de conquistar outras mulheres, porque eu sei que você nasceu assim, e para isso não tem remédio. E aceito também porque por mais que você vá embora de vez em quando, sei que você sempre volta, porque você é meu. É meu e sempre vai ser. E, sabendo disso, você aceita que eu me “apaixone” por outras pessoas enquanto você não está ao meu lado, porque você também sabe que nenhuma outra pessoa sabe fazer o bem que você me faz, porque você sabe que eu não posso ficar sozinha enquanto você faz companhia a outras pessoas. E mesmo com essas constantes distâncias, o destino sempre dá um jeito de nos unir novamente, porque é assim que devemos ficar: juntos, para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário