terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Saudade que faz cócegas.

— Me dá um abraço? — A voz dele suplicava através do telefone.

— Claro… Venha aqui.

— Posso?

— Sempre vai poder.

— Seu abraço é gostoso.

— Você nem deve se lembrar mais como é.

— Eu lembro, sim. Eu ia te ver depois do seu treino só pra ganhar um abraço seu.

— Eu lembro disso também. — Sorri. Era bom ver que lembrar dos nossos momentos era uma coisa boa agora, não doía mais… Era uma saudade que fazia cócegas.

— Ê, tempinho bom…

— Nem fale…

— Tô falando sério.

— Eu também.

— Pensei que era sarcasmo.

— Pensou errado…

— Eu descia na sua escola só pra te ver… — Repetiu.

— Eu lembro. Aí você me abraçava bem forte e demorava pra soltar.

— É, eu até te levantava.

— E girava. Era bom.

— Como era…. Hunf.

— Hunf.

(Silêncio)

— Ei, tô com sono. Vou dormir… Boa noite.

— Boa noite.

A chamada foi encerrada e eu sorri. Era bom ver que, mesmo com tantas meninas passando pela vida dele, ele sempre se lembraria de mim. E sempre sentiria saudade, assim como eu. E saber que nós não demos certo porque não fomos feitos para ficarmos juntos, mas não nos distanciarmos mesmo assim. Porque nós nos amamos. Essa é a verdade. E era divertido observar o modo como ele evitava falar das meninas, ouvir a mesma resposta de sempre: “ela era muito sem graça”. E em seguida, me perguntava “você gosta dele?”, com medo de perder o lugar no meu coração, sem saber que isso nunca vai acontecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário