sábado, 28 de abril de 2012

Não gosto mais de você, mas ainda te amo.

Você provavelmente nunca mais escutou voluntariamente as músicas que cantava pra mim. Mas me pergunto se alguma lembrança vem à sua mente quando alguma delas toca em algum lugar que você está. E me pergunto também se você lembra da gente de vez em quando. Não, eu não tenho mais esperança nenhuma. Entendi que não há mais volta, que seu coração não me pertence mais. Mas sei que um dia eu fui a dona do teu sorriso e, por isso, queria saber se deixei alguma marca em você, mesmo que pequenininha. Sei que você não gosta de mim, assim como eu não gosto mais de você, embora te ame. Mas eu queria que de vez em quando você olhasse para trás e sorrisse ao lembrar do que aconteceu. Porque nós éramos um casal bonito, ninguém pode negar. E talvez estivéssemos juntos se eu não tivesse pisado na bola meses atrás e se você não tivesse cometido o mesmo erro que eu um tempo depois. Confesso que não te quero de volta, porque você é muito diferente do que eu pensei que fosse. Mas você ainda vive dentro de mim, ou então eu já teria parado de te escrever como já prometi diversas vezes e nunca consegui cumprir. E ainda dói. De vez em quando eu ainda choro. Porque eu sinto que nunca vou encontrar alguém como você. E você me preencheu de uma forma que parece que ninguém nunca vai saber fazer igual, e assim, serei incompleta pra sempre. Você me transbordava… O que significa que mesmo se eu achar alguém que me complete, vou sentir falta de transbordar. Como é que eu vou seguir em frente se conheço outras pessoas e visito novos lugares tentando encontrar vestígios seus? Não estou mais empacada no mesmo lugar que estava até perceber que você é um idiota agora, mas parei no meio do caminho e não consigo continuar direito, porque metade de mim ficou pra trás e eu não sei como resgatá-la, assim como não sei parar de amar você. Porque quando você sai dos meus pensamentos, acaba invadindo meus sonhos. E isso traz você de volta aos meus pensamentos e também à superfície do meu coração. Às vezes consigo manter você bem no fundo do meu coração e me divertir e fazer coisas sem lembrar da gente, com um incômodo no peito quase imperceptível e que não me afeta tanto. Mas quando isso não acontece, dói demais. E aí eu penso que nunca vou deixar de ser sua e dói mais ainda. Pensar que vai continuar assim por um bom tempo é tortura, porque amar você não é nada fácil. Amar você é burrice e ter consciência disso mas não saber como mandar esse sentimento do peito embora de uma vez por todas é mais difícil ainda. Você foi meu príncipe que se transformou nesse sapo. E esse sapo eu não quero ao meu lado, mas meu coração suplica pelo príncipe que não existe mais em você e nem em lugar nenhum. Eu estou cansada de ser sozinha, mas nenhuma companhia no mundo se compara à sua e é só ela que me satisfaz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário