sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Tentar não foi o suficiente, eu sinto muito.

Eu tentei tirar-te da minha mente e, quando vi que não seria capaz de fazer isso, tentei também me enganar, meu amor. Treinei dizer que não sou mais apaixonada por ti, repetindo isso inúmeras vezes na frente do espelho. Convenci todo mundo disso, talvez até mesmo à ti. Mas o meu coração, o principal alvo, não se convenceu. Não se convenceu porque toda vez em que os teus olhos encontram os meus, ele é irradiado de esperança por tu não conseguir encará-los por muito tempo. Mas aí eu sou obrigada a lembrar que tu preferes ignorar o amor que ainda existe aí, dentro de ti. Por que fizeste isso conosco, meu anjo? Porque me obrigaste a seguir em frente sem ti? Isso é impossível para mim, estou sem rumo, fingindo saber aonde estou indo quando, na verdade, não quero ir a lugar nenhum sem você ao meu lado. O que tu fizeste com si mesmo, menino? Por que eu não te reconheço mais? E tu ages como um idiota o tempo todo, mas o teu olhar continua o mesmo, meu anjo. A diferença é que, assim como o meu, ele carrega a dor e a saudade com ele. E eu consigo vê-las, querido. E é aí que o meu coração aperta mais, porque tu não sabes o quanto me dói ver que nós ainda nos pertencemos e não poder fazer nada porque o nosso amor não é o suficiente. A verdade é que o nosso amor só não é o suficiente para nos manter juntos porque tu não queres que ele seja. Agora eu entendi o porquê todo mundo sempre diz que a verdade dói. Se dependesse de ti, ele nem existiria mais, eu sei. E vou confessar que, se eu tivesse escolha, optaria por acabar com ele, também. Eu só queria que o amor bastasse desta vez, anjo. Ainda mais porque ele é infinito, como prometemos a nós mesmos que seria. E agora? Teremos de fingir que estamos contentes com essa distância pelo resto de nossas vidas porque tu preferes que seja assim? Aliás, explique-me o porquê dessa tua escolha tão cruel. Conte-me o motivo que fez tu acabar com nós dois. Ele me destruiu por dentro, já que eu não estava brincando quando disse que precisava de ti para ser feliz. Por mais que eu tente esconder, eu sinto a tua falta, e essa saudade dói tanto, tanto, tanto que quase não dói mais… Só que é esse “quase” que a torna mais dolorida ainda. Eu sei que tu me amavas quando me obrigaste a ir embora, e sei que ainda me amas. Mas, se o amor sempre existiu aí dentro de ti, por que é que tu optaste por eu ir embora? Eu queria te procurar para ouvir a resposta saindo da tua boca, olhando nos teus olhos para certificar-me de que tu não mentirias, mas seria em vão, porque saber não mudaria os fatos, não acabaria com essa distância que nos separa. Nada pode mudar a nossa situação, nada pode nos salvar, e isso só não machuca mais que o fato de eu precisar continuar aqui, longe de ti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário