quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Fica...

Não devolve o meu coração, não. Ainda não. Eu quero que ele fique aí contigo, em segurança. Ele pertence a ti. E deixa o teu continuar comigo. Não pega de volta. Ou será que você já o fez, e eu não percebi? Diz que não, por favor… Todo mundo diz que a gente combina, que nós somos um casal lindo, todo mundo fica admirado com o fato de que somos tão diferentes e, ainda assim, nos amamos tanto. Amamos. Você leu esse verbo no pretérito ou no presente? Eu espero que esteja no presente, porque para mim, vai ser sempre presente. Já te disse que você foi o melhor presente que eu já recebi na minha vida? Eu lembro de quando você me disse que eu fui o teu. Eu lembro de você ter dito que não era nada ser mim. Me diz, isso ainda está valendo? Mais uma vez, eu espero que sim. Porque eu não sou nada, absolutamente nada sem você. Eu era tão vazia antes de te encontrar… Aí você chegou, e me completou graciosamente. Mas quando você vai embora, eu volto a ser aquela pessoa vazia de novo. A minha vida perde o sentido sem você nela e não é exagero, não. É a pura verdade. Pergunta para quem você quiser se o brilho dos meus olhos permanece quando você me deixa. Então não me deixa, meu bem. Fica. Fica, e fica para sempre. Você não precisa ir. Nunca vai precisar. Nunca vá. Eu não quero que você vá. Então diz que você também não quer ir. Diz que ainda precisa de mim. Diz que me ama. Me dá um beijo, um abraço, me faz um carinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário